Lean Manufacturing (Produção Enxuta): o que é e como aplicar?

Em um cenário global de constantes inseguranças, com guerras, pandemias, crises políticas e financeiras, gerir sua empresa com foco na produtividade, evitando desperdício e melhorando a qualidade dos produtos, enquanto diminuem os custos atrelados e a necessidade de um espaço para um amplo estoque parece um sonho distante, não é mesmo?

Mas sabia que não só é possível conciliar todos esses benefícios, como também aumentar o nível de satisfação dos clientes e, por consequência, obter um retorno satisfatório nos lucros? Se ficou interessado, leia até o final e entenda como isso é possível com o Lean Manufacturing!

O que é Lean Manufacturing?

Lean Manufacturing, ou Produção Enxuta em português, é um sistema de gestão que busca melhorar a eficiência dos processos de produção e a qualidade dos produtos, tendo como premissas a redução de desperdício e a consequente melhora na eficiência dos funcionários e da logística.

5 Princípios do Lean Manufacturing

Na aplicação do Lean Manufacturing, é vital entender os cinco princípios básicos que norteiam esse sistema, pois atuando em conjunto, eles garantem maiores ganhos com mínimos prejuízos, atendendo da melhor forma a necessidade do cliente no menor tempo possível.

São eles:

  1. Valor: O valor é definido como aquilo que o cliente deseja e está disposto a pagar. O objetivo é entender o que é valor para o cliente e, a partir daí, eliminar todas as atividades que não agregam valor ao produto ou serviço. O que não é essencial considera-se desperdício;
  2. Fluxo de valor: esse é todo o processo que vai desde o início da produção até o seu destino (o cliente). É também o momento de identificar os principais problemas relacionados à perda de tempo (como falta de organização do espaço, excesso de burocracia, reuniões desnecessárias…) e buscar meios de solucioná-los;
  3. Fluxo contínuo: um fluxo contínuo é vital nesse processo, pois após os princípios anteriores, o produto pode ser trabalhado de forma contínua e ininterrupta até chegar ao seu destino, atingindo todas as expectativas. Graças ao fluxo, é possível atender a uma alta demanda sem manter um estoque parado ocupando espaço;
  4. Produção Puxada: diferente dos métodos tradicionais, aqui o objetivo não é “empurrar” o produto para o cliente, convencendo-o a adquirir, mas sim produzir, quando necessário, sob demanda (ou quando o cliente “puxa”). O objetivo é minimizar a produção excessiva e evitar o desperdício de recursos;
  5. Perfeição: espera-se que, ao final de todo o processo, o produto seja entregue da melhor forma possível e da maneira que o cliente deseja, sem desperdício de tempo ou material. A melhoria contínua é a busca constante por formas de eliminar desperdícios e melhorar os processos.
LEIA TAMBÉM:   A evolução do planejamento industrial com Opcenter APS: Antes e Depois

Os 8 desperdícios do Lean Manufacturing

Existem 8 tipos de desperdícios identificados e excluídos pelo Lean Manufacturing:
  1. Superprodução: produzir mais do que o necessário, antes da demanda, leva a excesso de estoques e desperdício de recursos.
  2. Tempo de espera: desperdício de tempo entre uma etapa do processo e outra, seja por problemas de comunicação ou organização, ou por falta de recursos.
  3. Transporte: movimentar materiais, peças ou produtos de um lugar para outro sem necessidade, gerando custos e riscos de danos.
  4. Excesso de processamento: realizar etapas desnecessárias ou que não agregam valor ao produto, consumindo tempo e recursos.
  5. Estoque: manter estoques excessivos de matéria-prima, produtos em processo ou produtos acabados, o que pode gerar custos de armazenagem e risco de obsolescência.
  6. Movimentação: deslocar pessoas, equipamentos ou materiais de forma desnecessária durante a produção, gerando fadiga, acidentes e perda de tempo.
  7. Defeitos: produtos ou processos que não atendem às especificações ou padrões de qualidade, gerando retrabalho, refugo e aumento de custos.
  8. Subutilização de talentos: não utilizar o potencial e as habilidades dos colaboradores de forma eficaz, gerando insatisfação, baixa produtividade e perda de oportunidades.
Ao eliminar esses desperdícios, o Lean Manufacturing visa aumentar a eficiência, reduzir os custos, melhorar a qualidade dos produtos e serviços, e promover um ambiente de trabalho mais organizado e eficaz.

Softwares e o Lean Manufacturing

Pensando cuidadosamente, é possível imaginar a complexidade envolvida ao organizar todas as informações necessárias para colocar o Lean Manufacturing em prática. Estabelecer critérios e prioridades a serem seguidas, garantir o cumprimento de prazos, manter uma comunicação constante e eficiente entre setores e funcionários, é uma lista enorme com itens complexos e que não podem jamais ser ignorados.

LEIA TAMBÉM:   O que são os gargalos da produção e como eliminá-los?

Nesses casos, é importante ter o auxílio de softwares avançados e que possam gerir todas essas informações de modo seguro e eficiente, com a confiança de que os resultados serão os melhores possíveis.

Softwares de APS (Advanced Planning and Scheduling, ou Planejamento Avançado da Produção) podem ser excelentes aliados para direcionar seu setor produtivo em um caminho enxuto. Com um APS, sua equipe poderá priorizar entregas, criar restrições, identificar gargalos e desperdícios, de modo a atender todos os 5 princípios do Lean Manufacturing.

Almejando ofertar os melhores serviços, a APS3 oferece o Opcenter APS (antigo Preactor), um conjunto de softwares APS focado em analisar e desenvolver cronogramas de produção realistas, capazes de entender o funcionamento e o contexto da sua empresa para formular soluções mais apropriadas e eficientes.

Então não perca tempo e venha conhecer o nosso site clicando aqui agora mesmo para entender melhor os nossos serviços!

Gostou do nosso post? Compartilhe em suas redes sociais!

Facebook
Twitter
LinkedIn
Pinterest
WhatsApp
Telegram
Email
Print

A INDÚSTRIA DIGITAL

CONSTRUINDO O AMANHÃ, HOJE

23 de maio, 2024 CURITIBA/PR